Friday, January 30, 2015

· Some Words on "Confluence: The Rivers of Sorrow" ·

Hullo, me hearties.


● Just as I announce the release of Through Waves' fifth album "Confluence: The Rivers of Sorrow", I would like to share some thoughts about it, in hopes to stress the absolute importance of this work, which is a milestone dividing everything I've done in the past nine years of career.

Olá, amigos e amigas.

Após anunciar o lançamento do quinto álbum do Through Waves "Confluence: The Rivers of Sorrow" ("Confluência: Os Rios da Tristeza"), eu gostaria de compartilhar alguns pensamentos sobre ele, na esperança de frisar a importância absoluta deste trabalho, que divide tudo que eu fiz até hoje, nestes nove anos de carreira.




● This album feels as if it was my first one, and in many different and specific ways, it is. It is my first work as a fully realized and self-possessed woman, and after a therapy-break of one year without a major release – that is, the year of 2014, which only saw the release of a minor EP –, to take care of my transition and to put into balance everything I had and would no longer have, this release separates me from all the previous albums of a self which I no longer am, and allows me to embrace something I denied for so long.

Eu sinto como se este álbum fosse meu primeiro, e de muitas e específicas maneiras, ele é. É meu primeiro trabalho como uma mulher segura de si e plena, e após um hiato terapêutico de um ano sem um lançamento grande – isto é, o ano de 2014, que apenas viu o lançamento de um pequeno EP –, para cuidar da minha transição e para colocar na balança tudo que eu tinha e não mais teria, este lançamento me separa de todos os álbuns anteriores de uma pessoa que eu não mais sou, e me permite aceitar algo que eu neguei por tanto tempo.

● Through Waves’ previous albums now feel to me as distant memories, all blurred and unreliable. As they obviously build up the moment in which I am able to release “Confluence: The Rivers of Sorrow”, I could never deem them less than they are; but with the wise perspective of time, they feel all confused, messy and at times embarrassing even, like a person running in circles, trying to find meanings in wrong places, awing themselves with apparent moments of clarity, which were simple devices of the mind to try to cope with a roaring sadness banging at the door. It is like sitting at the kitchen table to calmly enjoy a cup of tea, with the entire house on fire, all the while thinking, “this is fine. I am OK with what is currently happening. I’ll be fine”. I have no connection to any of the four albums that come before “Confluence: The Rivers of Sorrow”, as I should, since this is the expected result of the conclusion of their conflicts. But a part of me used to think I was bound to those experiences as a necessary token of self-appreciation and entitlement. No, I cannot have any ties between me and these works. They are now beautiful, untouched memories, but distant ones, best kept in the care of those who stumble upon them.

Os álbuns anteriores do Through Waves agora me parecem memórias distantes, borradas e incertas. Como eles obviamente constroem o momento em que eu sou capaz de lançar “Confluence: The Rivers of Sorrow”, eu jamais poderia fazer menos deles; mas com a sábia perspectiva do tempo, eles parecem confusos, bagunçados e até mesmo vergonhosos, como uma pessoa correndo em círculos, tentando encontrar significados em lugares errados, se maravilhando com aparentes momentos de clareza, que eram apenas simples truques da mente para tentar lidar com a tristeza feroz batendo à porta. É como estar sentada na mesa da cozinha, calmamente apreciando uma xícara de chá, com a casa inteira em chamas, pensando, “isto está bem. Eu estou OK com o que está acontecendo agora. Eu ficarei bem”. Eu não tenho conexão com nenhum dos quarto discos que vêm antes de “Confluence: The Rivers of Sorrow”, como eu devo, já que este é o resultado esperado da conclusão de seus conflitos. Mas uma parte de mim costumava pensar que eu estaria atada àquelas experiências como um símbolo compulsório de auto-apreciação e merecimento. Não, eu não posso ter nenhuma ligação entre eu e estes trabalhos. Eles agora são belas, intocáveis memórias, mas distantes, melhor mantidas aos cuidados de quem as encontra pelo caminho.

● “Confluence: The Rivers of Sorrow” is, under this context, my first album, and I dare say the best thing I have ever done. It surpasses “Schadenfreude” in beauty and refinement; “Santuário” in wisdom and clarity; “Deconstruct the Debris” in strength and purpose and “Sail, Schooner” in story and meaning. It is the epitome of my self-discovery, my honesty and courage; yet it is as delicate and soothing as the last moments of pure lucidity before death. It is the journey of a spirit since its origins until the descend into flesh, and later departure. It is the first thing to ever make sense to me.

“Confluence: The Rivers of Sorrow” é, sob este context, meu primeiro álbum, e eu ouso dizer que é a melhor coisa que eu já fiz. Ele ultrapassa “Schadenfreude” em beleza e refinamento; “Santuário” em sabedoria e clareza; “Deconstruct the Debris” em força e propósito, e “Sail, Schooner” em estória e significado. É o epítome da minha auto-descoberta, minha honestidade e coragem; e ainda sim é tão delicado e confortante quanto os últimos momentos de pura lucidez antes da morte. É a jornada de um espírito desde suas origens até sua vinda à carne, e subsequente partida. É a primeira coisa que faz sentido para mim.

● (some words)
As the album opens with “Incipit: ‘Spinning Out of Nothingness’”, we observe as the energies circle around and mingle themselves, waking into consciousness and preparing to re-enter the world. “From the Wells of Silence” is the awakening of the spirit, immediately reminded of why it has left here in the first place, showing its perpetual discontent and frustration with the living world. “Of Me But a Shell” is the subsequent detachment of body and spirit, walking side by side in sadness, horribly bound to each other until the mortal side fails and the spirit may be free once again – although, due to its inability to overcome the vice of despair’s easiness, destined to return again and again until it learns what it won’t yet see. “This Too Shall Pass – Movement I” is the first demonstration of the deathwish: the readiness to embrace voluntary death, but the lack of strength (or courage) to perform it. “Maiden King” is as a flashback into the previous manifestations of these energies that later became the spirit into the Earth: mingled with every living and un-living thing, part of the world as a necessary force to its existence, selfless, absolute and fully realized, before befouling itself with the confusion of the flesh. “She Rolls Through an Ether of Sighs” seems the distant, unachievable desire of the spirit to find connection between itself and the body, which it deems incomplete and wrong. It is the most ethereal and abstract wish for femininity, which rolls ever so far away from its reach. “River, Pocket, Stone” is the first step towards honesty and conclusion, in which body and spirit decide to fulfill their cravings for death, and as “I Fell in Love With the Sea” builds in where the river led the body to, we realized that death has not yet come, for this journey might be the last of this spirit, and it cannot end like this: this is the first, brief moment of hope. “A Towing Ribbon”, much like the previous track “She Rolls Through an Ether of Sighs” is the dissatisfaction with the body that did not die, a more explicit desire for the true self and the promise of love that human life so craves to find. It is the first time the spirit tries to find connection with other people. “The Joy That Wounds” is everything the spirit wanted to offer to another, all the wisdom and clarity of its previous states of being that would only truly awake with the aid of an outside hand, to pry it from the depths of its own distress. “Impermanence” links briefly this story with the previous albums solely because it is a short demonstration of the harm other people may do, but this time they are not the only ones to blame, as the spirit’s expectations and desires are clouded by its own judgment, so everything is bound to fail unless it awakens to its own honesty. “Marfíneo” then is the desire that this build-up image of a loved one, with all the unreal expectations covering something that is obviously a swindle, dies and frees the spirit of the wanting and needing of the flesh, which, in its thinking, hinders the path that would lead it out of the world. “This Too Shall Pass – Movement II”, like the previous movement, is a recurring thought of death, only this time not so desperate, as the final moments of this tale seem to bring peace and understanding to an awfully confuse and painful journey. As “Nenia”, the final song and lullaby rocks in, we find spirit and body soothing themselves as death approaches, a final effort into understanding the true meaning of the journey and why has it taken the steps it has. Both react to these things, and conclusion comes as they separate, without the knowledge of whether this was the final voyage. All of this is a very abridged and embellished recount of what I have been and still am passing through, as these years of transition between body and spirit take their toll. “Confluence: The Rivers of Sorrow” cannot be more honest, and I cannot be more hopeful that things will unfold for the better, unlike all my previous efforts to synchronize matter and soul, to tune my strings in accordance to everything else.

Conforme o álbum abre com “Incipit: ‘Spinning Out of Nothingness’”, nós observamos as energias circulando e se misturando, acordando consciência e se preparando para re-entrar no mundo. “From the Wells of Silence” é o despertar do espírito, imediatamente lembrado da razão que o fez partir em primeiro lugar, demonstrando seu perpétuo descontentamento e frustração com o mundo mortal. “Of Me But a Shell” é o subsequente destaque de espírito e corpo, caminhando lado a lado em tristeza, terrivelmente presos um ao outro até o lado mortal se extinguir, e o espírito se libertar novamente – embora, devido a sua inabilidade de superar o vício do comodismo do desespero, destinado a voltar e voltar até aprender o que ainda não é capaz de ver. “This Too Shall Pass – Movement I” é a primeira demonstração de desejo de morte: a prontidão em aceitar fim voluntário, mas a falta de força (ou coragem) em realizar o ato. “Maiden King” é um flashback das prévias manifestações destas energias que mais tarde se tornariam o espírito na Terra: misturadas com todas as coisas vivas e não-vivas, parte do mundo como uma força necessária para sua existência, despretensiosa, completa e plena, antes de se sujar com a confusão da carne. “She Rolls Through an Ether of Sighs” parece o distante, inalcançável desejo do espírito de encontrar conexão entre ele e o corpo, que considera incompleto e errado. É o mais etéreo e abstrato desejo por feminilidade, que flui cada vez mais distante dele. “River, Pocket, Stone” é o primeiro passo em direção à honestidade e conclusão, quando corpo e espírito decidem completar a ânsia pela morte, e conforme “I Fell in Love With the Sea” mostra onde o rio levou o corpo, percebemos que a morte ainda não veio, pois esta jornada pode ser a última do espírito, e não pode ser concluída desta maneira: este é o primeiro, breve momento de esperança. “A Towing Ribbon”, como a canção anterior “She Rolls Through an Ether of Sighs”, é a insatisfação com o corpo que não morreu, um desejo mais explícito pela verdadeira identidade e a promessa de amor que a vida humana tanto anseia em encontrar. É a primeira vez que o espírito tenta encontrar uma conexão com outras pessoas. “The Joy That Wounds” é tudo que o espírito gostaria de oferecer para o outro, toda a sabedoria e a clareza de suas formas anteriores de existência, que apenas realmente acordariam com o auxílio de uma mão de fora, para força-lo para fora das profundezas de seu desespero. “Impermanence” conecta brevemente esta estória com os álbuns anteriores apenas por ser uma curta demonstração do dano que as outras pessoas podem causar, mas desta vez elas não são as únicas culpadas, já que as expectativas e desejos do espírito são enevoados por seu próprio julgamento, então tudo está fadado a falhar a menos que ele desperte para sua própria honestidade. “Marfíneo” por sua vez é o desejo que esta imagem forjada de um amor, com todas as expectativas irreais cobrindo algo que é obviamente um embuste, morra e liberte o espírito dos anseios da carne, que, em sua concepção, barram o caminho para fora do mundo. “This Too Shall Pass – Movement II”, como sua versão anterior, é o recorrente desejo de morte, embora desta vez não tão desesperado, conforme os últimos momentos deste conto parecem trazer paz e compreensão para uma jornada terrivelmente dolorosa. Conforme “Nenia”, a última canção de ninar embala, encontramos corpo e espírito se acalentando enquanto a morte se aproxima, um esforço final para compreender as razões desta jornada ter tomado os passos que tomou. Ambos reagem, e a conclusão vem quando eles se separam, sem saber se esta de fato foi a última viagem. Tudo isso é uma versão editada e embelezada do que eu passei e ainda passo, enquanto estes anos de transição cobram seu preço. Não há como “Confluence: The Rivers of Sorrow” ser mais honesto, e eu não posso ser mais esperançosa de que as coisas mudarão para o melhor, diferente das minhas tentativas anteriores de sincronizar corpo e alma, de me afinar de acordo com todo o resto.

● I left the ocean and followed the course of the rivers, and as I encounter a bifurcation, I find myself in the confluence of their waters, like the confluence of my life: a long search for the mingling of two separate parts, two different points of view, and one of them no longer serves me. It is with this work that I follow the true path.


Eu saí do mar e segui o percurso dos rios, e ao encontrar uma bifurcação, percebo-me na confluência de suas águas, como é a confluência da minha vida: uma longa busca pela mistura de duas partes separadas, dois pontos de vista separados, e um deles já não me serve mais. É com este trabalho que eu avanço em direção do verdadeiro caminho.



"Confluence: The Rivers of Sorrow" is set to be released with a Brazil-only crowdfunding project, but you may also contribute by sending an email to throughwaves@throughwaves.com to get info about donations and rewards.

"Confluence: The Rivers of Sorrow" será lançado com a sua ajuda através de um projeto de financiamento coletivo. Você pode contribuir para que este álbum saia do meio digital e possa fazer parte da sua coleção em exclusiva e luxuriosa edição limitada. Saiba mais sobre como apoiar este projeto clicando na imagem abaixo.











Fondly,